22.8.13

Figurinha premiada

Cena do filme Submarine 
Outro dia escutei a conversa de dois meninos numa mercearia aqui perto, eles falavam sobre figurinhas e álbuns e todas essas coisas que os meninos na idade deles costumam adorar. Esbocei um sorriso ao observar toda a empolgação dos dois diante de cada pacotinho de figuras que abriam e das gargalhadas que deram ao achar uma figura difícil de ser encontrada, segundo escutei. Paguei as minhas compras e vim pra casa tentando entender o motivo daquilo ter me chamado tanta atenção.

A vida, numa comparação meio sem jeito, pode ser um álbum de figurinhas feito aqueles que eu vi nas mãos dos meninos. Vamos compondo nossos dias com as figuras que retiramos de cada pacotinho que, cuidadosamente ou não, abrimos. Essas figurinhas vão completando nosso álbum, feito um quebra-cabeça, cada peça com sua importância e particularidade. E quando falo em figurinhas, agora faço alusão às pessoas que passam por nós, ou permanecem em nós e nos preenchem, completam o álbum, sabe? Tem gente que aparece pra trazer acalanto, calmaria, riso; tem gente que aparece, mas não cria raiz; tem gente que não sabe se vai ou se fica; tem gente que a gente nem sabe se quer que apareça; tem gente que vai embora e deixa saudade; tem gente que só passa pela gente; tem gente que marca a gente a vida inteira; tem gente que machuca, arranha, envenena o jardim; tem gente que a gente faz questão de lembrar e tem gente que a gente faz questão de esquecer. 

Tenho certeza que aqueles não eram os primeiros pacotinhos de figuras que aqueles meninos compraram, e também tenho certeza, ou quase, do quanto eles esperaram por aquela figurinha premiada que fez os olhinhos brilharem. Depois de muitos pacotes abertos, finalmente ela havia chegado. Aquilo era uma benção, uma dádiva, uma honra, por que não? Ter uma figurinha premiada não é pra qualquer garoto não, é pros que tem sorte e paciência de abrir todos os pacotinhos, um por um, sem perder a esperança de finalmente tê-la em mãos. E nem é pelo prazer de mostrá-la pra todo mundo, pelo contrário, é pelo prazer de saber que poucas pessoas a terão e de que ela, provavelmente, será única pra você. Quem tem a figurinha premiada geralmente guarda, feito um tesouro, feito um presente que, de tão delicado e especial, precisa ser protegido da poeira, dos roedores, do vento, da água e dos olhares alheios.

Acho que, no fundo, todo mundo espera pela figurinha premiada. Aliás, no fundo não, é bem a flor da pele mesmo, com certa urgência, com um calorzinho no peito que quase passa, mas não passa nunca porque o dia demora. A figurinha premiada virá num pacote qualquer, mas prenderá seus olhos mais do que qualquer outra, feito os olhos daqueles meninos. Tem gente por aí, já ouvi falar, que encontra a figurinha logo nos primeiros pacotinhos e que guardam com tanto cuidado que ela dura a vida todinha. Bonito, não é? E, se você perceber, já não falo mais de figurinhas nesse parágrafo. Falo de pessoas que se encontram, que se cuidam, que se gostam. Quem faz a "figurinha" ser premiada somos nós mesmos, nosso jeito de olhar as coisas e as pessoas, nossa sensibilidade, nosso coração aberto e limpinho, nosso desejo de fazê-la ser especial. Se você a tem, guarde, proteja, cuide, ame. Caso contrário, tenha paciência e comece a abrir os pacotinhos um a um.

Nunca mais vi aqueles dois garotinhos, mas espero que eles tenham cuidado da figurinha premiada que os vi encontrar naquele dia.